Warning: Parameter 3 to PlgContentGeekutility::_renderDisqus() expected to be a reference, value given in /home/wamy/www/wamy/plugins/content/geekutility/geekutility.php on line 252

Warning: Parameter 3 to PlgContentGeekutility::_renderFbcomment() expected to be a reference, value given in /home/wamy/www/wamy/plugins/content/geekutility/geekutility.php on line 252

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

m pouco antes da profecia de Mohamad, todos os países, estavam totalmente degradados, política, religiosa e moralmente. Todos os aspectos da vida estavam corrompidos e necessitavam de uma reforma geral.

 

O mundo em geral

Aspecto Político

Contexto Moral e Social

Aspecto Moral

A Mulher

Aspecto Religioso

Os Árabes

Aspecto Geral da Arábia

A Língua

Religiões da Arábia Pré-Islâmica

Crença em Deus

Porque a Arábia e não outro país para o último profeta?

Outras Religiões na Arábia antes do Islam

Particularidades dos Árabes

Generosidade

Descendentes de Ismail

 


 

O mundo em geral

Um pouco antes da profecia de Mohamad, todos os países, estavam totalmente degradados, política, religiosa e moralmente. Todos os aspectos da vida estavam corrompidos e necessitavam de uma reforma geral.

 


 

Aspecto Político

Os séculos seis e sete d.C. foram um período de diataduras, perturbações e anarquias. Certas famílias ocupavam o poder das nações cujas constituições, em vez de estarem baseadas na justiça, assentavam na injustiça, exploração e corrupção. Os governos eram formados à base de força e a aniquilação total dos opositores era considerada prefeição política.Quase todo o mundo estava evolvido nisso, como por exemplo: Pérsia, Império Romano, China, Índia, etc., cuja conseqüencia natural eram as guerras civis, as anarquia e a desordem.

 


 

Contexto Moral e Social

Neste aspecto também o mundo estava muito por baixo. a sociedade, ao dividir-se em várias etnias, raças, castas, etc., perdeu a sua força conjunto. As doenças morais fizeram do homem um corpo sem alma; enquanto um grupo gozava a vida, desfrutando de todo tipo de privililégios, o segundo era alvo da opressão dos governos, e preso nas correntes da escravatura, forçada a passar uma vida pior que e de um animal. enfim, a corrupção, a desorganização e a opressão estavam espalhados por todo lado.

O REGIME GOVERNANTE: O grau mais importante da sociedade humana era a dos componentes do regime; os ricos e os príncipes. Podia-se depositar alguma confiança nesse nível de pessoas para utilizar a sua influência e poder, a fim de minimizar os males da sociedade. Mas, infelizemente eram eles mesmos os autores e cabecilhas desses males sociais.

Eles é que faziam as leis que lhe conviessem, achavam-se superiores às leis e só pensavam no luxo pessoal e na vida de burguesia. O sacrifìcio não era para eles. Por exemplo o rei da Pérsia “Cosroés” tinha  muitas mulheres e muitos cavalos de raça pura, ouro jóias e todo o tipo de luxo, diffícil de imaginar. O seu palácio era alguma coisa de extraordinário.

Os impostos eram insuportáveis e geraram a luta de classes; os privilegiados pensavam que todo bem era seu direito. Para isso faziam leis para privarem os outros; e, automaticamente, criaram-se classes que ainda hoje existem em certos países e, no caso particular da Índia, onde até os empregos já estão definidos. Ninguém podia mudar a sua profissão e para a sua conveniência até diziam que estas classes foram estabelecidas divinamente. Por exemplo, na Índia; “os bramanes” podem cometer qualquer tipo de crime, mas eles nunca podem ser condenados à morte.

Se alguém da classe superior cometer adultério com uma mulher da classe inferior, isso não é considerado crime; se alguém da classe baixa bater na da classe superior, devem ser cortados os seus órgãos; se insultar, deve ser cortado a sua língua. Dizem que algumas pessoas foram criadas a partir da boca de Deus, que são os “bramanes”, para serem autoridade religiosa; outros a partir dos braços de Deus, que são os “Wish” para serem agricultores; outros a partir dos pés de Deus, que são os “Shodar”, que não têm profissão definida. Estes são os ensinamentos dos hindus que se encontram no seu livro “Minu Shastar”.

 


 

Aspecto Moral

Moralmente estavam muito em baixo; na Pérsia restrições nas relações sexuais, haviam movimentos que consideravam o casamento proibido, deixavam as suas próprias filhas e irmãs em casa para relações sexuais, e achavam que todas as mulheres eram lícitas para o homem.

Bebiam até embriagaram-se ao máximo e depois não destinguiam a mãe, irmã, filho etc., tendo relações com todas.

 


 

A Mulher

A mulher não era considerada na sociedade; não a tratava por igual, era só um objeto de prazer. Uns matavam as filhas; na Arábia enterravam-nas vivas; noutras partes queimavam viúvas vivas, as mulheres nem podiam ler livros religiosos. Os homens casavam quando queriam, divorciavam-se delas quando lhes apetecia e casavam com o número de mulheres que queriam. Na Grécia fechavam as mulheres em casa; nas igrejas cristãs tomavam as mulheres como irmãs, isolando-as da vida prática.

Na “Encyclopédia Britânica” existe o estatuto legal da mulher na civilização romana. “Na lei romana a mulher era completamente dependente; se casesse, a sua propriedade passava pelo marido; e como escrava, adiquirida só para o seu benefício; a mulher não podia exercer nenhuma função pública ou civil, não podia adotar nem ser adotada, nem podia fazer testamento ou contrato”.

Mesmo na lei inglesa a situação da mulher não era nada famosa; ela era privada dos seus direitos básicos.

Só no ano 1870 a situação começou a melhorar relativamente; até hoje, a mulher no ocidente, ainda continua a lutar pelos seus direitos. No Islam o caso já não é assim. O Islam ensina que a origem do homem e da mulher é da mesma essência, possuem a mesma alma, e que forma equipados com capacidades iguais para os méritos intelectuais, espirituais e morais, e considera os direitos da mulher sagrados.

 


 

Aspecto Religioso

Antes da profecia do Mohammad, as religiões que existem no mundo em geral earm o Cristanismo, o Judaísmo, o Budismo, o Hinduísmo, o Magismo, e o Zorostrianismo (adoradores de fogo).

Os persas adoravam o fogo e acreditavam que o mundo estava sob control de dois deuses, deus do bem e deus do mal. A influência destes ia da Pérsia até às fronteiras da Índia. O cristanismo era praticado pelos romanos. Havia sempre guerras entre estes dois impérios que eram considerados as superpotências de então. A última das guerras entre eles foi a que está mencionada no Alcorão, capítulo “Ar-Rum” (os Romanos).

O Hinduísmo era praticada na Índia e à sua volta. O Budismo era praticada na Índia, Tibet e no sul da Ásia.

O Judaísmo não tinha um local concentrado.

O Cristanismo e o Judaísmo já estavam deturpados. Portanto, no século sete D.C. na superfície da terra não havia nenhum povo que podia ser considerado justo. Não havia governo cuja base fosse a justiça, não havia religião que fosse autência.

 


 

Os Árabes

Há várias razões a respeito da nomeação desse povo por árabes. Os linguístas são de opinião que arab e árabe quer dizer “ser elequonte”.  Como os árabes, com a sua eloquência, orgulhavam-se e inferiorizavam os outros, por isso chamavam a si “arab” e a outros povos do mundo “ajam” mundos.

Alguns são de opinião que arab era nome do filho de Qahtan, identificado com o Yoqtan Bíblico, descendente direto de Sam, filho de Noé. Depois quando Ismael e a sua mãe se radicaram en “Paran” e aparecer o poço de ZAMZAM, e os filhos de Jurham radicaram-se nessa região, então a descendência de Ismail foi conhecida por “arab”. Outros são de opinão que a palavra Árabe era derivida de Arabah, que na língua semítica significa deserto, e, como a maior parte da Arábia é deserto, por isso chamam a todo o território de “árabe”. Há também outros motivos para esse povo ser chamado “Árabe”.

 


 

Aspecto Geral da Arábia

Um olhar para o mapa antiga convencerá o leitor que a península conhecida por Arábia – a maior península do planeta – ocupa uma posição única em relação aos outros continentes. Arábia está situada na Ásia, mas mesmo assim só o estreito mar vermelho separa-a da África, enquanto que pelo  canal de Suez se está no Mediterrâneo e na Europa, portante está quase no centro dos três continentes.

Contudo está situado à parte destes. Está cercada de mar por todos os lados exceto uma faixa estreita de terra ao norte. No oeste tem o mar vermelho, o Oceano Índico ao sul e a sueste o golfo Pérsico, e o Eufrates ao noroeste. Os Árabes chamam-lhe “JAZEERA-TUL-ARAB” que significa literamente “A Ilha Árabe”. Mas, esta terra cercada por todos os lados pela água exceto ao norte, não tem rio nenhum. A sua superfício é de um milhão e setecentos mil quilômetros quadrados, encontra-se atravavessada no meio pelo trópico de câncer.

As civilizações e Impérios antigos prosperaram na Pérsia, Egito e em Roma ma, eles nunca pensavam em conquistar toda a Arábia; a causa do desinteresse pela arábia estava no fato que, com exceção da província do Iaman e algumas aldeias situadas em Najed e Hijaz, que tinham terra fértil, serem desertos, montanhas e vales sem condições agrícolas, ou então, só cultiváveis quando havia água de chuva, e quando essa água secasse a população tinha que emigrar para outra zona. A maior parte das pessoas viviam nas tendas e eram nômades. Houve antigamente alguns reinos em Íaman como o reino de “SABA”, assim como consta no Alcorão capítulo “SABA” e na Bíblia capítulo 10 no “primeiro livro dos reis”, cujos vestígios ainda existem em “MARIB”; o principal vestígio é a grande barragem de “MARIB” que ruiu no Ano 543 de era critão; atualmente apenas subsistem os contrafortes de 18 metros de largura, e o reino de “HIMIAR”.

Mas naquela época o sistemo tribal predominava na Arábia toda.

O meio de transporte vulgar era o camelo. Mesmo assim nesse deserto Deus construiu, para sempre, a casa espiritual para toda a humanidade; - a “Caaba” em Macca – o centro de atração, o centro de abnegação, o centro de amor, o centro de união humana e de espíritos Divinos.

O clima da Arábia é extremamente seco, com exceção em algumas zonas costeiras e locais com águaç a tâmara é a fruta principal e a sua população dedica-se mais ao comércio.

 


 

A Língua

O que distingue a Arábia de todos os outros países do mundo é a língua árabe, uma das línguas do grupo semita. O latino e o grego por exemplo, são altamente inflexíveis, mas o árabe não só é flexivel mas tem outra particularidade, que muitas línguas não possuem; no árabe todas palavras, exceto as partículas, os nomes próprios, os nomes dos pássaros, dos animais e das coisas para os quais só pode haver uma palavra, são derivadas de uma base que podem ser moldadas para expressarem todo o tipo de significado que pela base pode expressar.

Deste modo a língua árabe permite uma imensa expansão sem qualquer aumento na sua base e pode expressar-se numa palavra o que as outros expressam em duas, três ou quatros palavras. Parece que os árabes ao terem pouca agricultura e poucas contruções, dedicaram toda a sua energia na contrução e desenvolvimento da sua língua.

Poucos historidadores prestaram atenção para a enorme influência da língua arábica na vida dos povos da Arábia, fator de grande importância em todos os assuntos que dizem respeito aos árabes.

 


 

Religiões da Arábia Pré-Islâmica

Antes do Islamismo as pessoas na Arábia estavam rotalmente perdidas. Uns eram ateus e sobre eles o Alcorão diz:

... E eles dizem: “Não há vida além da terrena, morremos como vivemos, só o tempo nos destrói”. Falam sem conhecimento certo, só conjecturam.
Cap. 45, vers. 24

Outros acreditavam na existência de Deus mas, negavam a ressurreição. A respeito desses o Alcorão diz:

... “Quem fará viver os ossos depois que estejam esmigalhados?”
Responde ó Mohamad: “Revivê-los-á aquele que os criou da primeira vez”.
Cap. 36, vers. 78/79

Outros acreditavam em  Deus e na ressurreição mas negavam a profecia e os profetas. Eles pensavam que profetas não podiam ser humanos, mas sim anjos. A respeito desses o Alcorão diz:

... E dizem; “que tipo de mensageiro é este que come como nós e anda pelas praças”
Cap. 25, vers. 7

... Nada impede os homens de crer, quando lhes chega a orientação, senão este reflexão: Enviaria Deus um homem como mensageiro?
Cap. 17, vers. 94

Mas em geral a maioria era idólatra, embora não acreditassem que as imagens e os Ídolos eram deuses, diziam que eles eram a via para chegaram a Deus, assim como acreditam os cristãos (católicos) de hoje :

... Qunato àquees que adotam protetores além d’Ele (dizem), só os servimos porque nos levam (aproximam) para muito perto de Deus. Na verdade Deus julgará entre eles o que é o objetivo das suas divergências.
Cap. 39, vers. 2

Eles tinham vários ídolos para várias acasiões e para cada tribo. Por exemplo o ídolo “Lat” estava em Taif e era adorado pela tribo Saquif; “Uzza” estava em Macca e era adorado pelas tribos coraixitas e Kinana; “Manát” estava em Madina e era adorado eplas tribos Aus, Khazraj e Ghassan. Assim havia outros como “Wudd”, “Suwaa”, “Iaghusa” e “Iaúqua”. O maior ídolo era o “HUBAL”. Estava colocado em cima do terraço da Caaba, e era invocado pelos craixitas na época da guerra. O fundador da idolatria na Arábia foi Amr Bin Luhai, cujo nome genuíno era Rabiah Bin Harissa. A conhecida tribo Khuzáa da Arábia é da sua descendência.

Uns historiadores acham que a idolatria começou antes, ele apenas foi a pessoa que introduziu ídolos na Kaaba.

(Vide pormenores sobre idolatria no livro “Al-Milal Wan-Nihal”).

 


 

Crença em Deus

Apesar de serem idólatras, os árabes reconheciam, ao mesmo tempo, que Deus é o Criador.

... E se lhes perguntas: “Quem criou os céus e a terra e submeteu o sol e a lua (para benefício da humanidade)” ?
Decreto que eles responderão: “Deus”
Cap. 29, vers. 61

... Quando embarcam nos navios invocam Deus sinceramente; Mas depois que Ele os traz em segurança até à terra, eis que idolatram.
Cap. 29, vers. 65

A Caaba que tinha sido constuída para ser utilizada para adoração de um só Deus, tornou-se num centro de idolatria. Já tinham sido colocados nela 360 ídolos, um ídolo para cada dia do ano lunar e tinham feito também imagens de jesus e Ismael para serem adorados. Além de ídolos também adoravam oas astros, especialmente a lua.

Igualmente havia muitos adivinhos, bruxos, curandeiros, astrólogos, que reinvidicavam saber o passado e o futuro das pessoas. Faziam sempre mau augúrio do corvo cuja presença pensavam ser a causa de separação, por isso em árabe o corvo chama-se “gurab” e a partir daí chamam à viagem “gurbah” e ao viajante “gharib”. Achavam que por causa do corvo a pessoa separava-se e viajava; também faziam mau augúrio de coruja. Pensavam que a voz da coruja causava a morte e desrtação. Quando morria alguém, os seus familiares batiam as suas próprias caras, puxavam e arrancavam os seus cabelos, as mulheres descobriam os cabelos, deitavam areia por cima deles e assim seguiam o funeral. Por exemplo, na Índia, em luto cortam os bigodos, a barba e o cabelo. Os árabes antes de Islamismo chamavam as mulheres e pagavam-nas para chorarem em voz alta. Depois de enterro punham a mesa e davam de comer a esses que participaram. Com o Islamismo acabou-se tudo isso, mas infelizemente os costumes resultantes sa ignorância ainda continuam entre algins muçulmanos. Comemora-se o 3.°, 10.°, 40° dia, 6 meses e um ano com comidas.

Também acreditavam muito nos demônios, gênios e espíritos; matança das filhas, jogos de azar. Estas coisas e a superstição não estavam só na Arábia mas em toda a parte, no Império Romano, Pérsia, china, ets. Em resume, quando o Profeta chegou, o mundo estava afogado na esuridão, não havia orientação nenhuma, e Deus para orientar o mundo escolheu o ponto de partida a Arábia e daí expandiu a orientação (luz) para todo o Mundo.

 


 

Porque a Arábia e não outro país para o último profeta?

A melhor resposta para esse pergunta é:

  1. Em qualquer parte do globo em que aparecesse o último Profeta, essa pergunta subsistira. Porque tinha que aparecer só num local e num região, então, outros automaticamente privavam-se da sua presença.

  2. Quase todos os outros países conhecidosdo mundo, pelo menos uma vez, tiveram a oportunidade de progredirem echegarem ao topo e até colonizarem outros povos direta ou indiretamente à base da sua ciência, technologia e civilização. Portanto, se o último Profeta aparecesse numa país além da Arábia, que já tivesse colonizado outros, então, a missão desse Profeta não teria tão grande sucesso, porque pensar-se-ia que isso também é uma manobra para se impor acima dos povos colonizados, pelo poderio da língua árabe.

Portanto para o Profeta ser uma orientação completa, teve de ser numa língua perfeita, e num país que nunca fora colonizado nem colonizara os outros, e isso tudo aplica-se à Arábia. Por isso, Deus escolheu a Arábis, porque os árabes eram indiferentes e neutros; para eles, todos os países eram iguais. Quando saíram para difundir a religião da Espanha até à China todos para eles foram iguais; e como a civilização árabe nunca tinha evoluído nem demonstado o seu valor verdadeiro, esta religião Universal tornou-os de repente na mais civilizada Nação – culta, servindo-se de guia dos povos em todos os aspectos da vida, e isso tudo, foi através da Religião Islâmica.

 


 

Outras Religiões na Arábia antes do Islam

Do Cristanismo, Judaísmo e Magismo, não se sabe ao certo quando é que entraram na Arábia, mas a verdade é que já estavam divulgados entre algum tribos, mesmo na Meca. Por exemplo “Waraca Bin Nawfal” já lia o evangelho em Hebraico e algumas tribos como Rabia já tinham convertido quase todo a Madina e Kheibar para a sua religião.

As narrações dos adeptos do livro já eram vulgares em Mecca, onde quando era revelado alguma parte do Alcorão ao Profeta Mohamad, uns diziam:

 “Na verdade, nós sabemos bem, o que eles dizem: Foi um ser humano que lhe (O Alcorão a Mohamad) ensinou.  Porém a língua daquele a quem aludem tê-lo ensinado é estrangeira, ao passo que o Alcorão está em árabe bem claro”.
 Cap. 16, vers. 103

Mas o Alcorão repudiu esta suspeita deles. Havia também uns que eram “Hanifes” e que não adoravam os ídolos; acreditavam num só Deus, e reinvidicavam seguir Abraão.

Apesar de existirem todas estas religiões – Cristanismo, Judaísmo, Magisma, e outras – nenhuma delas trouxe qualquer reforma na sociedade árabe; as bebidas alcoólicas, os jogos de azar, o enterro de meninas vivas, o casamento com a própria irmãs, a poligamia sem limite, o adultério, a imoralidade e todas as maldades estavam a ser praticadas, não só na Arábia mas quas em todo o mundo. Portanto, nesta situação, será que não havia necessidade duma iluminação da parte de Deus para os tirar da escuridão?

 


 

Particularidades dos Árabes

Apesar destas corrupções existentes em todos os aspectos no seio do povo árabe, havia dentro deles certas qualidades boas também.

 


 

Generosidade

Generosidade não quer dizer dar alguma coisa de comer ao pobre depois de já estar satisfeito, mas, generosidade quer dizer, a pessoa própria ficar com fome e dar a outro de comer, e julgar que isso é um êxito para ele como se à tivess alcançado o seu objetivo.

Por exemplo uma passagem de Hatim, chefe da tribo “TAI”, muito conhecido por sua generosidade, ele só guardava duas coisas: arma e cavalo, o resto oferecia aos outros.

Uma vez num inverno, aconteceu que havia fome na sua casa. Ao anoitecer, quando as crianças dormiam, apareceu uma senhora com seu filho e disse ao Hatim que ela e o seu feu filho estavam esfomeados e que, como já era meia-noite, nem ela, nem o filho conseguiam dormir devido à fome.

Mal a mulher acabou de falar, Hatim levantou-se, foi degolar o seu querido cavalo, acendeu lume e deu a faca à mulher dizendo-lhe: come tu e teu filho. Ao mesmo tempo, chamou todos os pobres e disse-lhes que foi degolado um cavalo e, portante, que viessem comer.

A esposa de Hatim conta que, num instante toda a carne tinha acabado, restante apenas os ossos. Mas, Hatim, sua mulher e filhos continuaram com fome, conforme estavam antes, não chegando a tocar nem um bocado de carne.

Há muitas outras passagens da generosidade dos árabes. Orgulhavam-se e concorriam para essa generosidade. Eles não degolavam cabritos, ovelhas ou galimhas porque isso para eles não tinha valor nenhum, com e exceção dos camelos. Outra particularidade dos árabes era a valentia, homens de palavra, pois detestavam quebrá-la, eram guerreiros bravos.

 


 

Descendentes de Ismail

Os historiadores árabes dividem os árabes em três grupos: árabe Baida; árabe Ariba; árabe Mustáriba.

1.      Árabe Baida, era todo o grupo descendente de Laz, filho de Sam, filho do Noé; era dividido em tribos Ad, Samud (que o Alcorão mencionou), Tasm, Judais entre outros. Temos muito pouco conhecimento a respeito Árabe Baida.

2.      Árabe Ariba, eram considerados os árabes puros, descendentes de Qahtan. Era o povo de Iaman e os Ansar. Na altura do nascimento do profeta Mohamad, os filhos das tribos de Qahtan eram dos mais fortes. Ainda hoje a maior parte da população da Arábia é descendente de Qahtan.

3.      Árabe Mustáriba. Quando Ismail se radicou em Macca, à volta daquele Santuário vivia a tribo Banu Jurham que era árabe e Ismail casou-se nessa família. Por conseguinte, os filhos que nasceram daí foram conhecidos por Árabe Mustáriba (provoadores, colonos). Estes eram árabes da parte da mãe, não do pai, porque o pai Ismail não era árabe, aprendeu a língua árabe ao conviver com a família da mulher. Neste momento a maior parte dos árabes são descendentes deles. O Profeta do Islam e mesmo a história do Islam, está totalmente ligada a essa última corrente, pois o Profeta Mohamad é descendente de Ismail, filho do Abraão através de Quedar e a doutrina que o Profeta Mohamad divulgou é a mesma que divulgou Abraão conforme diz o Alcorão:

“Credo (religião) do vosso pai Abraão; foi ele chamou-vos muçulmanos”.
 Cap. 22, vers. 78

Fonte: islam.com.br